6 de abril de 2016

ILHA DE TRINDADE E MARTIM VAZ

A ilha surgiu há aproximadamente três milhões de anos, da zona abissal do Atlântico Sul, através de atividades vulcânicas. As profundidades oceânicas ao seu redor atingem 5.800 metros. A parte emersa atinge até 600 metros, cobrindo 9,28 quilômetros quadrados. O clima é do tipo oceânico tropical, a temperatura média anual é de 25,2° C. Fevereiro é o mês mais quente do ano, 25,2°C e agosto o mais frio,17,3°C. Até 1850, a ilha era coberta por uma floresta de árvores Colubrina Granulosa, hoje quase inexistente. Abriga uma diversificada fauna marinha com recifes de algas calcárias, invertebrados, peixes e aves. Trindade foi ocupada por portugueses e ingleses e está sob domínio brasileiro desde 1910. Já recebeu visitas de piratas, pesquisadores e prisioneiros políticos. Desde 1957 é guarnecida pela Marinha do Brasil, com cerca de 40 homens, que permanecem na ilha por períodos de quatro meses. Viagens de reabastecimento são realizadas bimestralmente, para troca de metade da guarnição. Possui uma estação meteorológica que diariamente envia dados para a Diretoria de Hidrografia e Navegação.


1 de julho de 2015

H. G. WELLS, A MÁQUINA MENTAL DO TEMPO





Desde muito cedo na sua carreira, H. G. Wells sentiu que devia haver uma maneira melhor de organizar a sociedade, e escreveu alguns romances utópicos. Começavam em geral com o mundo a caminhar inexoravelmente em direção de uma catástrofe, até que as pessoas se apercebiam da existência de uma maneira melhor para viver: ou através dos gases misteriosos de um cometa, que fariam com que as pessoas começassem subitamente a comportar-se racionalmente, ou pela tomada do poder por um conselho mundial de cientistas, como em The Shape of Things to Come de 1933, livro que o próprio Wells adaptou mais tarde para o filme de Alexander Korda, "Daqui a cem anos"  de 1936. Aqui descrevia-se, com demasiada exatidão, a guerra que estava a chegar, com cidades a serem destruídas por bombardeamentos aéreos. Ele analisa a dicotomia entre a natureza e a educação e questiona a humanidade em livros como A Ilha do Dr. Moreau. Nem todos os seus romances terminam em feliz Utopia, como mostra o distópico When the Sleeper Awakes. A Ilha do Dr. Moreau ainda é mais sombria. O narrador, após ficar encurralado numa ilha cheia de animais vivissectados, até se transformarem em seres humanos, acaba por regressar a Inglaterra e, tal como Guliver no regresso do país dos Houyhnhms, vê-se incapaz de afastar a percepção dos membros da sua própria espécie como bestas só ligeiramente civilizadas, regressando a pouco e pouco à sua natureza animal. Wells chamava às suas ideias políticas "socialistas", e com o seu gosto por utopias, olhou inicialmente com bastante simpatia para as tentativas de Lenin de reconstruir a destroçada economia russa, como mostra o seu relato de uma visita ao país, "Russia in the Shadows" em 1920. No entanto, desiludiu-se com a crescente rigidez doutrinária dos Bolcheviques e, após um encontro com Stálin, convenceu-se de que a revolução correra terrivelmente mal. Nisto foi provavelmente mais clarividente do que muitos dos intelectuais do seu tempo.  À medida que envelhecia, Wells foi-se tornando cada vez mais pessimista acerca do futuro da humanidade, como é sugerido pelo título do seu último livro, Mind at the End of its Tether. Os seus últimos livros tendiam a pregar mais do que a contar uma história, e não tinham a energia e inventiva dos trabalhos iniciais. É conhecido como o pai da ficção científica. Wells nasceu em 1866, em Bromley, na Inglaterra filho de um pequeno comerciante. Antes de ingressar na Escola Normal de Ciências em Londres, onde conheceu Thomas H. Huxley de quem ficaria bastante amigo, Wells trabalhou como professor-assistente. Após se formar chegou a trabalhar como professor de biologia até se tornar jornalista e escritor p.rofissional. Imagine um mundo onde é possível fazer viagens no tempo, para o passado ou para o futuro, encontrar civilizações diferentes ou a própria civilização humana em estágios diferentes de evolução. Imagine a terra sendo invadida por seres de outros planetas com suas próprias tecnologias, ou então um homem que pudesse ser invisível. Herbert George Wells imaginou.  Seu primeiro livro publicado foi “A Máquina do Tempo”, em 1895, o romance inaugural das viagens para o futuro ou para o passado. Ao contrário de Júlio Verne, já famoso escritor de ficção científica (embora o termo ainda não tivesse sido cunhado – ele foi criado em 1926 por Hugo Gernsback na revista Amazing Stories), Wells tinha o foco de suas histórias na condição social do homem. Segundo teria dito Júlio Verne: “As criações do Sr. Wells pertencem sem reserva a uma era e grau de conhecimento científico muito distantes do presente, entretanto não vou dizer que inteiramente além dos limites do possível”.Outras obras de H. G. Wells foram: A Ilha do Doutor Moureau (1896), O Homem Invisível (1897) e A Guerra dos Mundos (1898), trabalhos que o consagraram como um pioneiro da ficção científica. Outros trabalhos como Kipps (1905) e História de Mr. Polly (1910) não se tratam de ficção científica, assim como O Esboço da História (1920) e O Trabalho, Riqueza e Felicidade Humana (1932), considerados mais realistas. Em “The Fate of The Homo Sapiens” Wells já estava começando a abandonar o otimismo quanto ao desenvolvimento da raça humana e sua sobrevivência. Em 1904, Wells ainda publicou “Guerra Área” obra onde anteciparia os bombardeios que ocorreram na II Guerra. H. G. Wells “previu” tantas descobertas em suas obras que alguns de seus leitores chegaram a acreditar até que o mundo seria como Wells o descrevesse em suas novelas, artigos e livros de ficção. Wells morreu em 1946 por causas desconhecidas.

21 de março de 2015

PUMA PUNKU - ENGENHARIA DOS ASTRONAUTAS ANTIGOS?

Puma Punku, que significa “A Porta da Puma” em Aymara, é parte de um gigantesco complexo de templos em Tiwanaku, um dos mais importantes sítios arqueológicos da Bolívia. Estudiosos das culturas andinas afirmam que esta civilização foi uma importante precursora do império Inca. A região surgiu como uma grande área de atividade econômica, religiosa e política próxima ao lago Titicaca. Um primeiro olhar sobre Puma Punku faz com que não seja possível imaginar como tudo aquilo foi construído por uma civilização que ainda não tinha algumas tecnologias essenciais, como a roda. Os cortes são precisos, os ângulos das pedras são retos e os blocos parecem terem sido cortados em série ou com equipamentos elétricos. No entanto, testes de carbono apontam que a construção deve ter ocorrido entre 300 d.C. e 500 d.C. O complexo de Puma Punku consiste de esplanadas, templos e monumentos, formados com pedra do estilo megalítico. O sítio principal possui 167 metros de comprimento por 116 metros de largura. A borda leste de Puma Punku é ocupada pela “Plataforma Lítica”, um terraço de pedra de 6,75 por 38,72 metros. Este terraço é pavimentado com múltiplos blocos de enormes pedras. A Plataforma Lítica contém a maior pedra encontrada em todo o sítio arqueológico de Puma Punku e Tiwanaku. Baseado nas propriedades da rocha da qual foi extraída, e estimado que essa única pedra tenha 131 toneladas métricas. O núcleo das construções em Puma Punku consiste de argila, enquanto o acabamento consiste de areia e pedregulhos. Escavações no sítio de Puma Punku documentaram a existência de três épocas distintas de construção, além de pequenas reformas e remodelagens ocorridas em outras épocas. Durante seu apogeu, acredita-se que Puma Punku era um local "incrivelmente maravilhoso", adornado com placas de metal polido, cerâmicas de cores brilhantes e ornamentado com quadros e peles, frequentado por sacerdotes e pela elite, que vestiam-se com roupas cerimoniais e joias exóticas. A compreensão da natureza deste complexo arqueológico ainda é limitada, devido à sua antiguidade, falta de provas escritas e o atual estado de elevada deterioração, tanto pelo desgaste natural mas também devida à depredação causada por visitantes e saqueadores.

12 de março de 2015

VILLA LOBOS – O COMPOSITOR DO BRASIL


Destaca-se por ter sido o principal responsável pela descoberta de uma linguagem peculiarmente brasileira em música, sendo considerado o maior expoente da música, compondo obras que contém nuances das culturas regionais brasileiras, com os elementos das canções populares e indígenas. No Brasil, sua data de nascimento é celebrada como Dia Nacional da Música Clássica. Heitor Villa-Lobos foi maestro e compositor brasileiro, considerado o expoente máximo da música do Modernismo no Brasil. Heitor Villa-Lobos nasceu no Rio de Janeiro, no dia 5 de março de 1887. Recebeu orientação musical ainda criança. No ano de 1915, Villa-Lobos começou sua vida profissional como instrumentista e com 19 anos de idade fez suas primeiras composições. Em 1922 participou da Semana de Arte realizada em São Paulo. No ano de 1923, viajou para a Europa e só voltou ao Brasil no ano de 1929. Muitas orquestras foram dirigidas por ele. Escreveu várias composições. Organizou um coral de 12.000 vozes em São Paulo no ano de 1931, acontecimento de grande importância na América do Sul. Fez várias viagens pelo mundo dirigindo com entusiasmo suas próprias composições. Recebeu grande incentivo de Debussy e Stravinsky. Em suas viagens pelo Brasil, fez pesquisas e anotou em seu diário as muitas modalidades musicais do folclore brasileiro, para depois analisar e formar suas composições. São muitas as peças que compôs, as que mais se destacaram foram os choros em número de 16, esses choros foram compostos no período de 1920 a 1929. São mais de mil composições conhecidas. Durante sua vida recebeu 24 títulos do Instituto da França. Era membro da Academia de Belas Artes em Nova Iorque e Comendador da Ordem de Mérito do Brasil. Em 1944 e 1945, Villa-Lobos viajou aos Estados Unidos para reger as orquestras de Boston e de Nova York, onde foi homenageado. Em 1945 fundou a Academia Brasileira de Música. Dois anos antes de sua morte, o maestro compôs "Floresta do Amazonas "para a trilha de um filme da Metro Goldwyn Mayer. Realizou concertos em Roma, Lisboa, Paris, Israel, além de marcar importante presença no cenário musical latino-americano. Recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Nova Iorque, e o de fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Música. Heitor Villa-Lobos faleceu no Rio de Janeiro, no dia 17 de novembro do ano de 1959. Foi sepultado no Cemitério de São João Batista.

26 de fevereiro de 2015

"USA FOR AFRICA", 30 ANOS




USA for Africa (United Support of Artists for Africa), foi o nome sob o qual 45 artistas norte-americanos, liderados por Harry Belafonte, Kenny Rogers, Michael Jackson e Lionel Richie, gravaram o compacto "We Are The World" em 1985. A canção alcançou a primeira colocação na parada de sucessos dos Estados Unidos e do Reino Unido em abril daquele ano. A maioria dos lucros da empreitada foi para a USA for Africa Foundation, que os usou para ajudar as vítimas da fome e doenças na África, especialmente para a Etiópia; alguns críticos da ação alegam, entretanto, que o dinheiro arrecadado foi entregue aos governos, muitos dos quais militares, dos países afetados pela fome em vez da população final. O "USA for Africa" também realizou um evento beneficente, Hands Across America, no qual aproximadamente 7 milhões de pessoas seguraram as mãos em uma corrente humana durante 15 minutos, num caminho que se espalhava pelos Estados Unidos. Os participantes pagaram 10 dólares para ingressar na fila. O dinheiro arrecadado também serviu para aliviar a fome e a falta de moradias na África. As receitas combinadas da vendas de "We Are the World" e do evento "Hands Across America" totalizaram cerca de 100 milhões de dólares.  A canção foi composta por Michael Jackson e Lionel Richie, produzida por Quincy Jones e gravada em 28 de janeiro de 1985 no A&M Studios em Hollywood, Califórnia.

AQUÍFERO GUARANI


Aquífero Guarani foi o nome que, em 1996, o geólogo uruguaio Danilo Anton propôs para denominar um imenso aquífero que abrange partes dos territórios do Uruguai, Argentina, Paraguai e, principalmente, Brasil, ocupando 1 200 000 km². Na ocasião, ele chegou a ser considerado o maior do mundo: hoje, é considerado o segundo maior, capaz de abastecer a população brasileira durante 2 500 anos. A maior reserva atualmente conhecida é o Aquífero Alter do Chão, com o dobro do volume do Aquífero Guarani. Estudos mais detalhados concluíram que o Aquífero Guarani é menor do que os pesquisadores calculavam e, sobretudo, com volume e qualidade da água inferiores aos estimados inicialmente. Além disso, é descontínuo, como na região de Ponta Grossa, no Paraná, de constituição complexa e heterogêneo. Um dos mais importantes estudos feitos sobre ele, "A redescoberta do Aquífero Guarani", foi desenvolvido em 2006 pelo geólogo José Luiz Flores Machado, do Serviço Geológico do Brasil. Flores Machado afirmou, em seu estudo, que, a rigor, não se trata de um único aquífero mas de um "sistema aquífero". Sendo assim, o correto seria chamá-lo de "Sistema Aquífero Guarani". A maior parte, 70% ou 840 000 km² da área ocupada pelo aquífero, cerca de 1 200 000 km² está no subsolo do centro-sudoeste do Brasil. O restante se distribui entre o nordeste da Argentina com 255 000 km², noroeste do Uruguai com 58 500 km² e sudeste do Paraguai  com 58 500 km², nas bacias do rio Paraná e do Chaco-Paraná. A população atual do domínio de ocorrência do aquífero é estimada em quinze milhões de habitantes.

MONUMENTO À BATALHA DAS NAÇÕES





Sendo o maior monunento da Europa,  o Monumento à Batalha das Nações encontra-se em Leipzig, Alemanha, em homenagem a Batalha de Leipzig 1813, também conhecida como a Batalha das Nações. Pago por principalmente por doações e pela cidade de Leipzig, que foi concluída em 1913 para o 100 º aniversário da batalha, a um custo de 6.000.000 Goldmark. O monumento comemora derrota de Napoleão em Leipzig, um passo crucial para o fim das hostilidades na Guerra da Sexta Coalizão, que foi visto como uma vitória para o povo alemão, embora a Alemanha como a conhecemos não existia na época. Havia pessoas de língua alemã de combate de ambos os lados, como as tropas de Napoleão também incluiu alemães recrutados a partir do banco francês ocupada esquerda do Reno, bem como da Confederação do Reno. 
A estrutura é de 91 metros de altura. Ele contém mais de 500 passos para uma plataforma de observação no topo, de onde tem uma vista espectacular sobre a cidade e arredores. A estrutura faz uso extensivo de betão, embora os revestimentos são de granito. O monumento é amplamente considerado como um dos melhores exemplos da arquitetura guilhermina. Diz-se de estar no local de alguns dos mais sangrentos combates, de onde Napoleão ordenou a retirada do seu exército.

6 de outubro de 2013

GENERAL ROMMEL, A RAPOSA DO DESERTO

Aos quatorze anos, Rommel e um amigo construíram um planador em tamanho natural que voava, embora não muito longe. O jovem Rommel queria ser mecânico e desejava se tornar um engenheiro aeronáutico, mas ingressou no Exército devido às insistências de seu pai que o recomendou para o Exército Württemberg, descrevendo ele como "próspero, de confiança e um bom ginasta". De início foi rejeitado pela artilharia e engenharia do Exército, sendo mais tarde, em Março de 1910, chamado para fazer o exame médico para admissão, sendo neste exame detectado uma hérnia, mas foi aceito mesmo assim como cadete. Seu pai assinou a documentação necessária e pagou o uniforme de Fahnenjunker, entrando no seu regimento no dia 19 de Julho de 1910, aos 18 anos de idade, no 124.º Regimento de Infantaria de Württemberg de onde foi enviado para a Escola Real de Oficiais Cadetes de Danzig, terminando o seu treinamento no mês de Novembro de 1911. Nesta época, Rommel conheceu Lucie Mollin, dançarina, que estava em Danzig para estudar línguas, tendo os dois logo se apaixonado. Erwin Rommel nasceu em Heidenheim, aproximadamente 40 km de Ulm, no Estado de Württemberg, sendo batizado em 17 de Novembro de 1891. Foi o segundo filho do professor protestante Erwin Rommel, reitor de escola secundária em Aalen, e Helene von Luz, filha de um proeminente dignitário local. O casal teve ainda outros três filhos, dois meninos, Karl e Gerhard, e uma menina, Helene. O seu irmão mais velho, Karl Rommel, entrou como voluntário no Exército se tornando piloto de reconhecimento, sendo admitido somente nos últimos exames. Já Gerhard Rommel, o seu irmão mais novo, se tornou cantor de ópera. De início foi rejeitado pela artilharia e engenharia do Exército, sendo mais tarde, em Março de 1910, chamado para fazer o exame médico para admissão, sendo neste exame detectado uma hérnia, mas foi aceito mesmo assim como cadete. Foi na Segunda Guerra Mundial, porém, que a fama de Rommel fez o mundo estremecer. Sob o comando da 7ª Divisão Panzer, em 1940, ele foi um dos primeiros a ultrapassar a Linha Maginot, na França, antes em mãos de tropas britânicas e francesas. A inovadora e fulminante "Blitzkrieg",guerra-relâmpago surgia para o mundo de forma implacável. Foi durante a invasão da França que Rommel conseguiu atingir a inigualável marca de deslocamento de 240 km em um único dia, feito que rendeu a seus homens a fama de "divisão fantasma". Em fevereiro de 1941, sob ordem do chefe do Estado-Maior do Reich, Walter von Brauchitsch, nascia um grupo especial que se tornaria lendário, batizado de "Afrika Korps". Sua missão era auxiliar as frágeis frentes italianas no norte da África, que padeciam com armamento escasso. Mas a tarefa não seria simples. Com curto raio de ação, os canhões da divisão datavam de 1914 e estavam completamente obsoletos. A situação de outras armas não era muito diferente. Metralhadoras e veículos de defesa pouco podiam fazer diante do poder de fogo dos aliados. Para piorar, grande parte do exército italiano era constituída por infantaria não-motorizada, adequada para posições defensivas, mas de valor nulo nos embates no deserto. Implicado no atentado por suas ligações com os oficiais conspiradores membros da resistência alemã, Rommel, ainda em recuperação médica, recebe em sua casa a visita de dois oficiais generais em 14 de Outubro de 1944. Devido ao seu prestígio nacional, estes oficiais, leais a Hitler, trazem os termos do Führer a Rommel: ir a Berlim, passar por um julgamento popular e inevitavelmente ser condenado à morte, condenando também sua família a ser confinada em um campo de concentração ou, sozinho, acompanhar os dois oficiais e ingerir veneno para suicidar-se, opção esta que garantiria a integridade de seus familiares. Rommel sem dúvida escolhe a segunda alternativa, despede-se da família e acompanha os dois oficiais embarcando em seu automóvel. Às treze e vinte e cinco os generais Burgdorf e Maisel, fizeram a entrega do cadáver de Rommel ao Hospital de Ulm. O médico-chefe, que se dispunha a proceder a autópsia, foi prontamente interrompido por Burgdorf que lhe disse: "Não toque no corpo. Em Berlim já se tomaram todas as providências." Talvez, jamais se venha a saber o que exatamente se passou no caminho de Ulm. Burgdorf pereceu com Hitler, no subterrâneo da chacelaria do Reich. Maisel que ao final da guerra foi condenado juntamente como motorista da SS, afirmam terem recebido ordens de abandonar o carro por alguns momentos, quando retornaram encontraram Rommel agonizando. Seu funeral foi celebrado em 18 de Outubro de 1944 com as mais altas honrarias militares do III Reich e, oficialmente sua "causa mortis" foi anunciada como efeito dos ferimentos que recebera meses antes. Seus restos mortais, depois de cremados foram sepultados em Herrlingen, Alemanha, no cemitério próximo de sua casa. Sua família não foi perseguida após sua morte. Um dos seus filhos chegou ao cargo de presidente da câmara, "Bürgermeister" da cidade de Stuttgart. Muitas lendas foram criadas a partir do mito Rommel, porém nunca questionado do ponto de vista militar e da conduta no campo de batalha. Histórias como "fazer um Rommel", que para os soldados do 8º Exército Britânico, significava fazer algo de forma impecável. Sua astúcia e faculdade de improvisação granjearam-lhe o apelido de Raposa do Deserto. Certa vez encontrando-se sob violenta pressão Britânica, o general conseguiu inverter a situação dando-lhes impressão de comandar grandes estacamentos. Sabia que a RAF fotografava diariamente as linhas alemãs, então, ordenou que todos os veículos fossem movimentados a noite, crivando o solo do deserto com milhares de sulcos, e projetando a movimentação de um grande destacamento de blindados. Diante disto os ingleses bateram em retirada.

ALMIRANTE DE ESQUADRA CHESTER NIMITZ

Originalmente Nimitz tinha esperanças em estudar na Academia Militar dos Estados Unidos em West Point e tornar-se oficial do exército, mas não existiam vagas disponíveis. O seu congressista, James L. Slayden, disse-lhe que tinha uma nomeação disponível para a marinha, e que esta seria atribuída ao candidato melhor qualificado. Nimitz sentiu que esta era a sua única oportunidade para continuar a estudar e gastou tempo extra a estudar para ganhar a nomeação. Foi nomeado para a Academia Naval dos Estados Unidos do 12.º Distrito Congressional de Texas em 1901, e graduou-se com distinção em 1905, em 7º numa turma de 144. O então Contra-Almirante Nimitz foi seriamente considerado em 1940 para o comando da Esquadra do Pacífico. Sendo assim, quando o governo Roosevelt decidiu fazer do Almirante Husband Kimmel o bode expiatório do ataque surpresa, a escolha para substituí-lo naturalmente recaiu sobre Nimitz. Ele chegou a Pearl Harbor no dia de Natal de 1941, e enquanto inspecionava o porto, ele pôde ver pequenos barcos coletando corpos que subiam à superfície desprendendo-se dos navios destroçados no fundo. Por ato do Congresso, Nimitz saltou a patente de Vice-Almirante e foi promovido diretamente para Almirante 4 estrelas. O Comandante-em-Chefe da Esquadra do Pacífico era responsável por uma imensa área. Em violação ao princípio de unidade de comando, o Pacífico foi dividido em dois teatros. Douglas MacArthur foi designado comandante do Sul do Pacífico, que abrangia a Austrália, Filipinas, Ilhas Salomão, Nova Guiné, Arquipélago de Bismark, Bornéo, e todas as Índias Orientais Holandesas, exceto Sumatra. Nimitz comandava tudo mais no Pacífico, exceto as águas costeiras das Américas Central e do Sul. Essa vasta área recebeu a designação de Área Oceânica do Pacífico. Além disso, Nimitz retinha o comando da Esquadra. O Almirante Nimitz enfrentou o desafio de reconstruir sua desmoralizada esquadra e proteger os interesses americanos no Pacífico com grande habilidade. O braço aéreo da esquadra, assim como a força submarina, permaneceram intactos após Pearl Harbor. Para restaurar o moral e manter os japoneses sob ataque, Nimitz ordenou guerra submarina irrestrita contra o Japão. Ele também reorganizou a frota de superfície em forças-tarefa centradas em porta-aviões rápidos. Com o apoio do Almirante King, ele começou o planejamento de ações ofensivas envolvendo ataques de navios-aeródromos. Nessa altura, a maioria dos comandantes navais acreditava que era muito arriscado para porta-aviões atacar bases terrestres pesadamente defendidas. O alto-comandante dos porta-aviões, William Halsey, apoiou Nimitz e ofereceu-se para liderar os primeiros ataques. Os ataques subseqüentes pouco conseguiram em termos estratégicos, mas foram importantes em elevar o moral, obter experiência e desenvolver táticas. Baseando-se em relatórios da inteligência, Nimitz empregou seus escassos porta-aviões para interceptar os japoneses na Batalha do Mar de Coral em maio de 1942. Antes da batalha, ele secretamente observou que “devido à superioridade de nosso pessoal e equipamento” os Estados Unidos poderiam arriscar-se a lutar contra os japoneses ainda que enfrentando condições desfavoráveis. Essa visão se provou por demais sangrenta. Ainda assim, o empate obtido na batalha foi uma brilhante vitória da propaganda e marcou o primeiro bloqueio no expansionismo japonês.Após a acalorada reunião de 14 de dezembro de 1943, Nimitz confrontou seus subordinados. Todos disseram que Kwajalein seria um desastre. Dirigindo seus comentários a Turner, ele respondeu: “Será desse jeito. Se vocês não querem fazê-lo, o Departamento achará alguém que queira.” A discussão acabou ali. A bem-sucedida captura das Ilhas Gilbert e Marschall demonstrou como operações com porta-aviões rápidos podem apoiar operações de desembarque em movimentos de larga escala. Nimitz então voltou sua atenção ao ataque às Marianas para conseguir uma base de bombardeiros, que atacariam o Japão. Palau e as Filipinas se seguiram. Nimitz era favorável ao abandono das Filipinas em favor da invasão de Taiwan, mas a influência política de MacArthur, que prometera “voltar” quando fugiu em 1942, persuadiu Roosevelt a contrariar seu plano e ordenar a invasão das Filipinas. Em 19 de dezembro de 1944, Nimitz foi promovido a Almirante de Esquadra, patente equivalente à de MacArthur. Os dois líderes haviam cooperado no passado e continuaram a cooperar até o fim da guerra. Após sofrer um ataque cardíaco seguido de pneumonia em fins de 1965, Chester Nimitz faleceu em San Francisco, no dia 20 de fevereiro de 1966, aos 80 anos. Ele é hoje homenageado pela a classe de super porta-aviões nucleares norte-americanos, que leva seu nome.

GENERAL DOUGLAS McATHUR

Douglas MacArthur nasceu em uma base do exército em Little Rock , Arkansas, em 26 de janeiro de 1880, em uma família com uma história militar forte . Seu pai, Arthur , era um capitão no momento do nascimento de Douglas , e tinha sido condecorado por seu serviço no exército da União durante a Guerra Civil. Mãe de Douglas , Mary, era de Virginia , e seus irmãos tinham lutado para o Sul durante a Guerra Civil. A base onde Douglas nasceu foi apenas o primeiro de vários postos militares em que ele viveria durante sua juventude. Em 1893, sua família mudou-se para San Antonio , Texas, e MacArthur frequentou a Academia Militar de West Texas , onde começou a mostrar ser uma promessa acadêmica. Ele também foi membro de várias equipes esportivas da escola. Após o colegial, MacArthur matriculados na academia militar de West Point, onde se destacou e, em 1903, graduou-se com honras. Após a formatura, MacArthur foi encomendado como um oficial subalterno no "Army Corps of Engineers", Corpo de Engenheiros do Exército e passou a próxima década cumprindo uma variedade de funções. Este período no início de sua carreira militar foi marcado por promoções freqüentes e levou a lugares em países ao redor do mundo , incluindo as Filipinas , Japão, México e , em 1914 , na França. No início da I Guerra Mundial, MacArthur foi promovido a major e lhe atribuído ao que eram, essencialmente, inteligência e unidades administrativas . No entanto, após os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha , foi criado a Divisão 42, a chamada " Divisão do arco-íris ", uma unidade da Guarda Nacional composta por soldados de um número de Estados e MacArthur foi promovido a coronel e a divisão fora colocada sob o seu comando. Em 1918 ele participou do St. Mihiel , Meuse -Argonne e ofensivas Sedan , durante a qual ele repetidamente distinguiu-se como um líder militar capaz. Ao retornar da Europa, MacArthur tornou-se o superintendente de West Point, cargo que ocupou durante os próximos três anos. Durante esse tempo, ele foi promovido a general de brigada do Exército e também se casou com sua primeira esposa, Louise Brooks Cromwell . Para o resto de 1920, MacArthur novamente ocupou vários cargos militares e também chefiou o Comitê Olímpico americano. Ele se divorciou de Louise , em 1929.
Em 1930, MacArthur foi promovido a general e selecionado como o chefe do Exército . Ao longo dos próximos anos, seus esforços foram essencialmente dedicado à manutenção da máquina militar que , como o resto do país, foi prejudicada pela Grande Depressão. Ele também falou muitas vezes sobre o que ele considerava ser a cada vez mais grave ameaça do comunismo, tanto nos Estados Unidos quando no exterior. Em 1935 , o presidente Franklin D. Roosevelt escolheu MacArthur como seu conselheiro militar às Filipinas e mandou-o lá para estabelecer uma força militar defensiva. O seu nome ficará para sempre associado à reconquista das Filipinas por parte das tropas norte americanas, cumprindo a sua famosa promessa de regresso "I Shall Return" efetuada dois anos antes.
A sua atuação ao longo destes anos, concedeu-lhe um lugar ímpar na história da Segunda Guerra Mundial, sendo considerado um dos maiores comandantes militares do século 20 e um dos maiores militares norte americanos de todos os tempos, tendo sido juntamente com o Chefe do Estado Maior das Forças Armadas, o General George Marshall e com o General Dwight "IKE" Eisenhower os únicos generais de 5 estrelas do Exército dos Estados Unidos. Em 1945, quando nomeado Chefe Supremo das Potências Aliadas, aceitou a rendição dos japoneses após a explosão das bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki.
Esta rendição teve um grande valor simbólico para os americanos, pois foi efetuada na baía de Tóquio a bordo do navio USS Missouri. Foi nomeado Comandante Aliado no Japão após a guerra, ocupando o cargo até 1950. Quando a Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul em 1950, os Estados Unidos entraram na guerra comandando a força militar das Nações Unidas. Foi nomeado comandante do Exército das Nações Unidas, tendo expulsado os invasores e atacada a Coreia do Norte, invadindo-a. No entanto, a China passou a apoiar de forma veemente o Exército norte-coreano, permitindo ao mesmo suster a incursão das tropas aliadas conduzindo a guerra a uma situação de impasse, que conduziu a uma paz instável que dura até aos dias de hoje. Em 1951, como comandante das forças da ONU, foi demitido por Truman, devido a desobediência de ordens do Presidente dos Estados Unidos. Regressando ao seu País, o Partido Republicano tentou fazê-lo aceitar a candidatura à presidência dos Estados Unidos, que foi recusada. Faleceu em 5 de abril de 1964, aos 84 anos, vitima de uma cirrose biliar primária. No cinema, foi vivido pelo ator Gregory Peck no filme MacArthur de 1977.

3 de outubro de 2013

ATILA, "O FLAGELO DE DEUS"


Na liderança dos hunos, após matar o próprio irmão, comandou várias ações militares no continente europeu. Comandou seu exército na invasão do Império Romano, saqueando e destruindo diversas cidades romanas. Invadiu cidades romanas da região do rio Danúbio e nos Bálcãs. Atacou também, com seu exército, a região da Gália, atual França. Com a aliança que firmou com outros povos bárbaros, chegou a comandar uma extensa região entre o Mar Cáspio e o rio Reno. Tentou dominar Constantinopla, porém acabou desistindo em função do grande poderio do Império Bizantino. Exigiu e conseguiu do Papa Leão I uma certa quantia de tributos para deixar de invadir e destruir cidades italianas. Passou para a história por ser um comandante militar muito cruel e violento. Foi apelidado em sua época de “o flagelo de Deus”. Quando entrava nas cidades, ordenava a destruição de casas e construções, além de exigir a execução de várias pessoas, com objetivo de demonstrar poder e despertar o medo nos inimigos. Foi o último e mais poderoso rei dos hunos. Governou o maior império europeu de seu tempo desde 434 até sua morte. Suas possessões se estendiam da Europa Central até o mar Negro, e desde o Danúbio até o Báltico. Durante seu reinado foi um dos maiores inimigos dos impérios romanos Oriental e Ocidental: invadiu duas vezes os Bálcãs, esteve a ponto de tomar a cidade de Roma e chegou a sitiar Constantinopla na segunda ocasião. Marchou através da França até chegar a Orleães, antes que o obrigassem a retroceder na batalha dos Campos Cataláunicos, "Châlons-sur-Marne" e, em 452, conseguiu fazer o imperador Valentiniano III fugir de sua capital, Ravena. Ainda que seu império tenha morrido com ele e não tenha deixado nenhuma herança notável, tornou-se uma figura lendária da história da Europa. Em grande parte da Europa Ocidental é lembrado como o paradigma da crueldade e da rapina. Alguns historiadores, por outro lado, retrataram-no como um rei grande e nobre, e três sagas escandinavas o incluem entre seus personagens principais.

28 de setembro de 2013

A REVOLTA DOS MALÊS

Dentre os diversos conflitos na História do Brasil Império, durante o período regencial que foi a transição do primeiro para o segundo reinado, aconteceu a Revolta dos Malês, mais precisamente na noite de 24 para 25 de Janeiro, no ano de 1835. A revolta foi rápida e duramente reprimida pelos poderes constituídos, já que se tratava de um movimento dos escravos muçulmanos os "Malês", que se organizaram com a proposta de libertação de todos os escravos africanos que pertencessem à religião islâmica. Aconteceu na cidade de Salvador, capital da então Província da Bahia, e teve a participação dos escravos pertencentes às etnias hauçá, igbomina e Picapó. O plano de ação dos malês se constituiu a partir das experiências de combate que tiveram anteriormente na África e consistia em propostas como o fim do catolicismo, o assassinato e o confisco dos bens de todos os brancos e mulatos, a implantação de uma morarquia islâmica e a escravização de todos que não fossem muçulmanos, independentemente de sua raça. De acordo com seus planos, eles sairiam do bairro da Vitória e iriam até Itapagipe tomando as terras e matando os ‘brancos’, em seguida se reuniriam com os demais revoltosos para então tomar o governo. Tinham o objetivo também de divulgar sua religião e “conquistar” seus direitos. A ação seguinte seria a invasão dos engenhos de açúcar e a libertação dos escravos muçulmanos.Há controvérsias sobre quem foi o autor da delação, mas o fato é que o plano dos malês foi delatado para um juiz de Paz de Salvador, e este rapidamente acionou os soldados das forças oficiais que, bem preparados e armados, cercaram os revoltosos na região da Água dos Meninos, antes mesmo de chegarem a Itapagipe. Neste local aconteceram violentos conflitos nos quais morreram 70 escravos e sete soldados. Foram presos cerca de 200 revoltosos, os quais foram julgados pelos tribunais. Alguns foram condenados a trabalhos forçados e açoites, outros foram enviados para a África
e os líderes foram condenados à pena de morte.Dentre os pertences dos escravos foram encontrados livros em árabe e orações muçulmanas. Por conta do episódio, a partir de então o governo local decretou leis que proibiam a circulação dos muçulmanos no período da noite e a prática de suas cerimônias, alegando ter que evitar outras revoltas do tipo. Apesar de ter sido reprimida com rapidez, a Revolta dos Malês mostrou a capacidade de rebelião que o povo tinha, ficando então a “ameaça” de novas revoltas durante o restante do período regencial e no segundo reinado.


GUERRAS MÉDICAS



Durante os séculos VI e V a.C., a civilização persa viveu um processo de ampliação territorial graças à ação militar de vários de seus reis. Ciro, Cambises e Dario I empreenderam a anexação de diversas áreas da Ásia Menor, até se aproximar de cidades formadas pelos gregos. Inicialmente, a relação entre os povos da Grécia Asiática e os persas foi marcada por uma relativa estabilidade. Contudo, a adoção de uma política de exploração deu início a uma série de conflitos que inauguraram as Guerras Médicas. Em um primeiro momento, entre 500 e 494 a.C., algumas cidades jônias resolveram se rebelar contra as imposições persas com o apoio militar dos atenienses. Logo em seguida, Dario I decidiu organizar tropas que invadiram a Grécia Continental com o objetivo de rebater a ofensiva ateniense. A primeira tentativa dos persas, ocorrida em 492 a.C., foi frustrada com um forte temporal que atingiu parte dos navios persas. No entanto, em 490 a.C., os persas organizaram uma nova tentativa de invasão. Dessa vez, utilizando um contingente com mais de 50 mil soldados, os persas conseguiram dominar diversas cidades da Grécia Continental. Atenas e Esparta foram as duas únicas cidades-Estado que resolveram resistir ao avanço do poderoso exército persa. Sob a liderança de Milcíades, os atenienses organizaram uma ofensiva realizada no exato momento em que os persas desembarcaram na planície de Maratona. Mesmo com um contingente muito menor, os atenienses conseguiram vencer os persas nesta batalha. Após essa primeira vitória dos gregos, as tropas atenienses retornaram para sua cidade natal tentando abafar um outro batalhão persa que se dirigia para lá. Mais uma vez, os atenienses conseguiram vencer os persas e, com isso, alcançaram grande prestígio militar entre os povos gregos. Após essas vitórias, o governo ateniense investiu na ampliação do poder naval da cidade e na ampliação do porto do Pireu. Enquanto isso, Dario passou a preparar uma tentativa de invasão ainda maior.
O rei persa acabou morrendo antes de empreender uma nova ação militar contra os gregos. Essa tarefa acabou sendo assumida pelo seu filho Xerxes, que promoveu uma nova invasão à Grécia no ano de 480 a.C.. Dessa vez, a ofensiva persa contou com o apoio dos cartagineses, que se comprometeram a lutar contra as colônias gregas localizadas no sul da Península Itálica. Em contrapartida, diversas cidades gregas se uniram para a luta contra o Império Persa. O primeiro confronto entre persas e gregos ocorreu no desfiladeiro de Termópilas, onde um grupo de soldados espartanos tentou resistir à invasão persa. Mesmo não conseguindo abater seus inimigos, a resistência oferecida pelos espartanos ofereceu tempo hábil para que os militares atenienses pudessem organizar a fuga da população. Após incendiarem uma Atenas completamente abandonada, os persas foram atraídos até o canal de Salamina, onde as forças gregas esperavam derrotar o grande poderio naval dos persas. Utilizando de uma ardilosa estratégia de guerra, os gregos conseguiram sucessivas vitórias contra os persas nas batalhas de Salamina, Platéia e Micala. Com essas sucessivas vitórias, os gregos conseguiram impedir a invasão dos persas à Grécia Continental, bem como recuperaram a autonomia política das cidades localizadas na Ásia Menor. Sob a liderança dos atenienses, a Pérsia foi finalmente derrotada com a assinatura do Tratado de Susa, estabelecido em 448 a.C..




15 de setembro de 2013

SETEMBRO NEGRO...


Em 16 de setembro, sob lei marcial, o rei Hussein deu plenos poderes ao então coronel paquistanês Muhammad Zia-ul-Haq, que, mais tarde, viria a ser presidente do Paquistão, através de um golpe de estado que derrubou Zulfikar Ali Bhutto para que acabassem com os fedayin. Os palestinos receberam, então, ordens de depor imediatamente as armas e evacuar as cidades. No mesmo dia,  Yasser Arafat tornou-se comandante supremo do Exército de Libertação da Palestina (PLA), o braço militar da OLP. Durante dez dias de guerra civil, inicialmente entre o PLA e o exército jordaniano, a Síria enviou cerca de 200 tanques para ajudar os fedayin. Em 17 de setembro, porém, o Iraque começou a retirar seus 12.000 homens estacionados perto de Zarqa. Os Estados Unidos enviaram uma esquadra para o Mediterrâneo oriental e Israel realizou movimentos de tropas, colocando-as à disposição de Hussein, caso fosse necessário. Sob ataque do exército jordaniano e sofrendo pressão externa, as forças sírias começaram a se retirar da Jordânia em 24 de setembro, depois de perder mais da metade dos seus armamentos na luta contra os jordanianos. Os fedayin se viram então na defensiva e concordaram com um cessar-fogo em 25 de setembro. Vários governantes árabes criticaram a atitude do rei Hussein e um acordo de paz foi assinado no Cairo em 27 de setembro.2 O tratado reconhecia o direito das organizações palestinas de operar na Jordânia, desde que deixassem as cidades. Posteriormente, Arafat afirmaria que o exército jordaniano matou entre 10 mil e 25 mil palestinos. Em 28 de setembro, Gamal Abdel Nasser morre de ataque cardíaco e a OLP perde a proteção árabe. Em 31 de outubro, Arafat, cuja posição estava enfraquecida, teve que assinar outro acordo pelo qual retornava o controle da Jordânia ao rei e se comprometia a desmantelar as bases dos militantes palestinos e a proibi-los de usarem armas não permitidas pelo governo jordaniano. Mas, em reunião do Conselho Palestino, a FPLP e a FDLP se recusam a aceitar esse acordo. Em 9 de novembro, o primeiro-ministro jordaniano Wasfi al-Tal ordena o confisco de armas ilegais. Em janeiro de 1971, o exército aumenta o controle sobre as cidades. Após a descoberta de um depósito de armas ilegais em Irbid, o exército estabelece o toque de recolher e começa a prender os rebeldes. Em 5 de junho de 1971, várias organizações palestinas, inclusive o Fatah, lançam um manifesto na Rádio Baghdad, conclamando a população a derrubar o rei Hussein. Finalmente o exército jordaniano recupera o controle dos últimos redutos da OLP - as cidades de Jerash e Ajloun e os militantes palestinos são expulsos para o Líbano.

A REVOLTA VERMELHA DE 35

A Revolta Vermelha de 1935 inscreve-se como conspiração de natureza político-militar, pelas suas reivindicações políticas imediatas de protesto político-institucional contra um governo autoritário dentro do quadro dos movimentos tenentistas realizados no Brasil desde a década de 1920. No entanto, articularam-se estas reivindicações, sob influência comunista, à ideia de uma revolução "nacional-popular" contra as oligarquias, o imperialismo e o autoritarismo, possuindo nas suas reivindicações menos imediatas, aspectos como: a abolição da dívida externa, a reforma agrária, o estabelecimento de um governo de base popular - em outras palavras, uma revolução "nacional-libertadora", que, embora estabelecida por um movimento armado, não se propunha a ultrapassar o quadro da ordem social burguesa como afirmado, à época, por um dos líderes do movimento, o capitão Agildo Barata. Esta confluência de influências corporificou-se na pessoa de seu principal líder, Luís Carlos Prestes, capitão do Exército Brasileiro e líder tenentista convertido ao comunismo, que dirigiu o levante - à revelia da liderança formal do Partido Comunista do Brasil, e em articulação direta com a direção da Internacional Comunista, que mantinha junto a Prestes um grupo de militantes comunistas internacionais, composto pela companheira de Prestes, a comunista alemã Olga Benário, além do argentino Rodolfo Ghioldi, o alemão Arthur Ernest Ewert, Ranieri Gonzales e alguns outros militantes ligados ao Comitê Executivo da Internacional Comunista (CEIC).
A direita brasileira sempre caracterizou esta interferência do Comintern no movimento como prova do seu caráter antinacional, em que os militantes brasileiros teriam agido como simples fantoches do comunismo internacional. Deve-se levar em conta, no entanto, que, se o Comintern stalinista da época desejava levar a cabo uma revolução vitoriosa sob sua inspiração a qualquer custo - de forma a tirar de Stalin a pecha de "grande organizador de derrotas" que lhe havia sido atribuída por Trótski após o fracasso das revoluções na Chinaem 1927, na Alemanha em 1923 e na tomada do poder por Hitler em 1933. O fato é que Prestes especulou fortemente sobre o seu prestígio e sua capacidade de articulação política para prevalecer sobre a direção formal do Partido brasileiro no processo marginalizando o então secretário-geral do Partido, Antônio Bonfim, o "Miranda" e conseguir o apoio direto do CEIC a suas políticas - cujas premissas revelar-se-iam cabalmente equivocadas.Num primeiro momento, Prestes parecia considerar que o programa nacionalista da ANL seria capaz de permitir-lhe impor-se como um movimento de massa legal capaz de atrair apoios tanto entre a classe operária e o campesinato como também entre a burguesia "progressista" de tendências anti-imperialista e antifascista para depois, quando o governo Getúlio Vargas declarou a Aliança ilegal com o apoio da burguesia e da classe média, que temiam a infiltração comunista no movimento, optar, com o apoio do CEIC, por uma ação revolucionária concebida em termos de uma mera ação militar.A ação foi planejada dentro dos quartéis. Militares simpatizantes da ANL deram início às rebeliões. Imaginava-se que depois a revolta ganharia o apoio popular, mas isto não ocorreu.A principal falha dos revolucionários foi com relação à organização. As revoltas se deram em datas diferentes, o que facilitou as ações do governo para dominar a situação e frustrar o movimento.Após derrotá-los, Vargas decretou estado de sítio e uma forte repressão aos envolvidos na Intentona Comunista. Luís Carlos Prestes foi preso, bem como vários líderes sindicais, militares e intelectuais. Mas tudo isto não passou de estratégias do presidente para preparar um futuro golpe de Estado.

GENERAL ANIBAL



General e estrategista cartaginês nascido em Cartago, filho do fundador do Império Púnico na Espanha, Amilcar Barca, fundador do império cartaginês na Espanha e comandante da primeira guerra púnica contra os romanos. Famoso por sua genialidade, aos nove anos foi levado pelo pai para a Espanha e, segundo a lenda, aprendeu e jurou ódio eterno aos romanos. Assumiu o comando do exército em 221 a. C. e tornou-se chefe supremo das tropas de Cartago, depois do assassinato do pai e do cunhado Asdrúbal. Dedicou-se inicialmente à consolidação do domínio cartaginês na península ibérica e para esse fim fez várias viagens pelo império, no decorrer das quais arregimentou tribos celtas e iberas que viriam a constituir a base de seu exército. Depois de conquistar a cidade de Sagunto em 219 a. C., aliada aos romanos e dando início à segunda guerra púnica, na Espanha, organizou um grande exército, cerca de 40 mil homens com infantaria, cavaleiros e 37 elefantes e cruzou os Alpes em direção a Roma. Após a travessia dos Pireneus e dos Alpes, o cartaginês infligiu aos romanos a primeira derrota em Trébia, no vale do rio Pó, onde incorporou a suas tropas os gauleses cisalpinos. Na batalha de Trasimeno esmagou as forças de Flamínio, estimadas em 15.000 homens, e conquistou o domínio da Itália central. Em Canas obteve outra retumbante vitória contra um contingente romano duas vezes mais numeroso que as tropas cartaginesas. Ocupou ainda Cápua e Taranto em 212 a. C., mas sem reforços e abastecimento, foi obrigado a adiar o projeto de tomar Roma e refugiou-se no extremo sul da Itália. Esperou em vão a adesão dos povos itálicos ou a chegada do exército comandado por seu irmão Asdrúbal Barca, dizimado pelos romanos na batalha do rio Metauro em 217 a. C. O inimigo passou à contra-ofensiva e recuperou progressivamente suas posições. Durante a campanha chegou próximo da cidade, mas ficou cego de um olho e perdeu metade de seus homens. Durante suas campanhas na Itália, o cônsul Públio Cornélio Cipião, o Africano, conquistou todos os territórios espanhóis que estavam sob controle cartaginês. Atravessou o oceano para defender Cartago em 203 a. C., porém foi definitivamente vencido pelos exércitos de Roma comandados por Cipião, na batalha de Zama. Roma exigiu sua rendição no ano 195 a. C. e ele procurou refúgio na corte de Antíoco, na Síria. Três anos mais tarde seu protetor foi derrotado pelos romanos e refugiou-se na Bítinia, na Ásia Menor. Roma pediu sua extradição no ano 183 a. C. e, para não ser preso pelos romanos, preferiu suicidar-se tomando veneno. As técnicas de combate inventadas pelo general cartaginês nas batalhas que travou contra os exércitos romanos, foram consagradas pela história dos conflitos bélicos. O emprego de armamento pesado móvel e de movimentos envolventes no palco de operações faz parte do legado transmitido por aquele que foi talvez o maior gênio militar da antigüidade.

TAJ MAHAL, UM TRIBUTO AO AMOR?

Considerado como uma das mais importantes construções da História da Humanidade, o Taj Mahal tem por de trás de suas edificações uma impressionante história. Durante o governo do imperador mongol Shah Jahan, houve um período de grande prosperidade material na Índia, sendo que os recursos acumulados durante esse governo permitiram a construção de vários jardins e edifícios. Na condição de monarca, Shah Jahan tinha várias esposas, mas Aryumand Banu Begam era, sem dúvida, a mais amada. A sua predileção por Aryumand era tanta, que passou a chamá-la pelo nome de Mumtaz Mahal, ou seja, “a eleita do palácio”. Entretanto, a relação afetuosa entre Mumtaz e Shah chegou ao fim quando a esposa preferida não sobreviveu ao parto de seu décimo quarto filho. Desolado com a perda de sua amada, o poderoso rei ordenou a construção de um enorme mausoléu que deveria abrigar o corpo de sua amada e, ao mesmo tempo, simbolizar o amor do rei à sua falecida esposa. Nos 22 anos seguintes à morte de Mumtaz Mahal, o rei não poupou esforços para que sua homenagem póstuma fosse devidamente concluída. Nesses vinte e dois anos, mais de 20 mil trabalhadores foram empregados na construção do Taj Mahal, nome dado à construção, que significa “a coroa do lugar”. Entre os materiais empregados na construção podemos destacar o uso de pesados blocos de mármore da Índia, ametistas persas, safiras do Ceilão, atual Sri Lanka, cristal e jade chineses, pedra turquesa tibetana e o Lápis - Lazuli do Afeganistão. Em 1657, apenas cinco anos antes do palácio ser finalmente concluído, o imperador Shah Jahan adoeceu e perdeu seu posto imperial para seu filho Aurangzeb. Durante o tempo em que ficou enfermo, Shah observava o Taj Mahal e relembrava os dias felizes que teve ao lado de sua amada. Com a sua morte, em 1666, o antigo monarca foi enterrado ao lado de sua esposa predileta. Segundo estudiosos, o gasto com a dispendiosa prova de amor acabou marcando o declínio da dominação mongol na Índia. Atualmente, o Taj Mahal representa uma das mais belas provas de amor já conhecidas. Além disso, a complexidade de seu traçado arquitetônico coloca esse mausoléu ao lado das mais perfeitas construções já realizadas pelo homem. Sua impressionante simetria arquitetônica marca a construção de seus portões, jardins e os túmulos que abrigam os corpos de Mumtaz e Shah. Relatos ainda sugerem que, na verdade, Shah construiria um Taj Mahal Negro ao lado do mausoléu em mármore branco de sua esposa. No século XIX, o poderio britânico na Índia colocou em sério risco a preservação do monumento devido à depredação realizada pelos oficiais ingleses e as rebeliões hindus. No século seguinte, os ingleses realizaram um projeto de restauração e proteção do monumento. No ano de 1993, o Taj Mahal foi considerado um patrimônio da humanidade e, com isso, a preocupação com sua conservação tornou-se responsabilidade de diversos historiadores, arquitetos e restauradores. Recentemente, intrigas giraram em torno das origens e motivações que teriam levado ao surgimento do Taj Mahal. Alguns estudiosos da cultura indiana afirmam que  Shah, rei mongol de religião muçulmana, teria utilizado da construção de um antigo templo de adoração hindu para construir o mausoléu. Além disso, sacerdotes sunitas reclamam para si a propriedade do templo por causa da opção religiosa de Shah. Entretanto, o governo da Índia ignora tais disputas ao considerar o templo como um patrimônio nacional.

14 de setembro de 2013

MASSADA, A RESISTÊNCIA JUDAICA

Encravada no deserto da Judeia, Massada é um monte rochoso, de topo achatado, que se eleva a cerca de 520 metros acima do Mar Morto, a cerca de dois quilômetros e meio de sua margem ocidental. Esse topo apresenta uma forma ovalada, com cerca de 200 metros de comprimento por 60 metros de largura. Controlada pelos romanos, essa região foi transformada pela ação de Herodes, um governante romano que dirigiu a construção de muralhas, prédios e fortificações naquele lugar. Dessa forma, Massada transformou-se em um local de difícil acesso, em que os romanos exibiam a imponência e a riqueza de seu vasto império. Mal sabiam eles que, por volta do ano 70 D.C.,momento em que Roma havia invadido e destruído a cidade de Jerusalém, os judeus organizariam uma rebelião para tomar a região e transformar aquele lugar em seu último ponto da resistência. Naquele instante, um grupo de aproximadamente mil judeus viria a morar naquela localidade ao longo dos próximos anos. Em 72 D. C., percebendo que não sairiam de lá tão cedo, Roma ordenou que um grupo de 15 mil soldados realizassem a invasão de Massada e a aniquilação dos revoltosos. Sob o comando do general Flávio Silva, os soldados romanos realizaram um grande cerco nos arredores de Massada. A tática inicial seria esperar até que os judeus saíssem do lugar em busca de água e mantimentos. Apesar de lógico, o plano demoraria muito tempo, pois os judeus contavam com um grande estoque de alimentos. Dessa forma, o general ordenou que um destacamento de judeus escravizados fosse utilizado para a construção de uma enorme rampa feita de pedras e terra batida. Através dessa rampa, os soldados construíam uma via de acesso para que pudessem ultrapassar as grossas muralhas que cercavam o lugar. Além da rampa, esses mesmos escravos foram utilizados para a construção de uma torre de vinte e oito metros postada contra a muralha. Quando alcançaram as muralhas do lugar, os romanos utilizaram o aríete, poderosa arma que utiliza uma ponta de ferro com o formato da cabeça de um carneiro. Acoplada a uma enorme tora de madeira, os soldados romanos puxavam a tora para trás e, assim, empurravam a cabeça metálica contra a muralha. Em pouco tempo, os fortes golpes abalaram as proteções de Massada. Visando dificultar as coisas para os romanos, os judeus construíram um muro interno feito de terra, pedra e madeira que foi logo incendiado. No momento em que a vitória romana se mostrava irreversível, os judeus, sob a liderança de Eleazar ben Yair’s, se convenceram de que era melhor morrer do que se entregar à Roma. Com isso, segundo o historiador Flávio Josefo, a pai de cada família judia decidiu matar a sua mulher e seus filhos. Depois disso, dez homens foram sorteados para matar os demais. Um outro sorteado entre os dez, mataria os outros nove que, por sua vez, seria forçado a cometer suicídio. Atualmente, a região de Massada é visitada por milhares de turistas interessados em conhecer o lugar em que a mítica resistência dos judeus teria acontecido. Apesar de ser difícil provar documentalmente o desfecho desse combate, observamos que os judeus incorporaram a narrativa como um importante elemento que reforça a determinação e a coragem do povo judeu. Não por acaso, os militares israelenses citam a resistência em Massada ao realizarem o seu juramento.


MAMA AFRICA, MIRIAM MAKEBA

Zenzile Miriam  Makeba começou a carreira em grupos vocais nos anos 50, interpretando uma mistura de blues americanos e ritmos tradicionais da África do Sul. No fim da década, apesar de vender bastante discos no país, recebia muito pouco pelas gravações não recebia nada  de royalties, o que lhe despertou a vontade de emigrar para os Estados Unidos a fim de poder viver profissionalmente como cantora. O seu momento decisivo aconteceu em 1960, quando participou no documentário antiapartheid  “Come Back, África”, a cuja apresentação compareceu, no Festival de Veneza daquele ano. A recepção que teve na Europa e as condições que enfrentava na África do Sul fizeram com que Miriam resolvesse não regressar ao país, o que causou a anulação do seu passaporte sul-africano. Foi então para Londres, onde se encontrou com o cantor e ator negro norte-americano Harry Belafonte, no auge do sucesso e prestígio e que seria o responsável pela entrada de Miriam no mercado americano. Através de Belafonte, também um grande ativista pelos direitos civis nos Estados Unidos, Miriam gravou vários discos de grande popularidade naquele país. A sua canção “Pata Pata”  tornou-se um enorme sucesso mundial. Em 1966, os dois ganharam o Prêmio Grammy na categoria de música folk, pelo disco “An evening with”,  Belafonte e Makeba. Em 1963, depois de um testemunho veemente sobre as condições dos negros na África do Sul, perante o Comitê das Nações Unidas contra o Apartheid, os seus discos foram banidos do país pelo governo racista; o seu direito de regresso ao lar e a sua nacionalidade sul-africana foram cassados, tornando-se apátrida. Os problemas nos Estados Unidos começaram em 1968, quando se casou com o ativista político Stokely Carmichael, um dos idealizadores do Movimento  Black Power e porta-voz dos Panteras Negras, levando ao cancelamento dos seus contratos de gravação e das suas digressões artísticas. Por este motivo, o casal mudou-se para a Guiné, onde se tornaram amigos do presidente Ahmed Sékou Touré. Nos anos 80, Makeba chegou a servir como delegada da Guiné junto da ONU, que lhe atribuiu o Prêmio da Paz Dag Hammarskjöld. Separada de Carmichael em 1973, continuou a vender discos e a fazer espetáculos em África, América do Sul e Europa. Em 1975, participou nas cerimónias da independência de Moçambique, onde lançou a canção "A Luta Continua" , slogan da Frente de Libertação de Moçambique, a  Frelimo, apreciada até aos nossos dias. A morte da sua filha única em 1985 levou-a a mudar-se para a Bélgica, onde se estabeleceu. Dois anos depois, voltaria triunfalmente ao mercado norte-americano, participando no disco de Paul Simon, “Graceland” e na digressão que se lhe seguiu. Com o fim do apartheid e a revogação das respectivas leis, Miriam Makeba regressou finalmente à sua pátria em 1990, a pedido do presidente Nelson Mandela, que a recebeu pessoalmente à chegada. Na África do Sul, participou em dois filmes de sucesso sobre a época do apartheid e do levantamento de Soweto, ocorrido em 1976. Agraciada em 2001 com a Medalha de Ouro da Paz Otto Hahn, outorgada pela Associação da Alemanha nas Nações Unidas "por relevantes serviços pela paz e pelo entendimento mundial", Miriam continuou a fazer shows em todo mundo e anunciou uma digressão de despedida, com dezoito meses de duração. Em 9 de novembro de 2008, apresentou-se num concerto a favor de Roberto Saviano, em Castel Volturno  na Itália. No palco, sofreu um ataque cardíaco e morreu no hospital na madrugada do dia 10 de novembro.

17 de março de 2013

IRMÃOS MARX, O HUMOR SURREAL




Os Irmãos Marx foram um grupo de irmãos comediantes, que fizeram teatro, cinema e televisão. Eram Chico, Leonard Marx, Harpo, Adolph Arthur Marx, Groucho, Julius Henry Marx, Gummo, Milton Marx, e Zeppo, Herbert Marx. Outro irmão, Manfred, nasceu em janeiro de 1886 mas morreu na infância em 17 de julho de 1886. Após grandes sucessos teatrais na representação de comédias grotescas e sátiras mordazes, protagonizadas até 1919 também por Gummo, na verdade Milton Marx, os irmãos Marx deixaram a Broadway, em 1924, para iniciar a carreira no cinema com uma versão de seu show da Broadway, “Cocoanuts”, em 1929. Seguiram-se filmes como Horsefeathers  de 1931, "Agulha no palheiro" de 1932 e "O diabo a quatro" de 1933. Os Marx levaram para as telas características pessoais marcantes no teatro: Groucho representava a sociedade burguesa, com roupa e jeito de homem ocupado; Chico representava o intriguista refinado, que falhava muitas vezes; Harpo era o intérprete de harpa, com sorrisos luminosos e um chapéu-de-coco, sempre mudo; e Zeppo, que se retirou em 1933, depois de atuar em cinco filmes, personificava o bon-vivant. O grupo continuou em Hollywood, onde filmou "Uma noite na ópera" de 1935 e  "Um dia nas corridas"  de 1937.Em 16 de janeiro de 1977, Os Irmãos Marx colocaram seu nome na Calçada da Fama. As cenas dos filmes dos Marx é sempre uma violação de inconsistências e irônico, com uma performance dos atores diante da câmera louca e absurda, e um ritmo acelerado.No entanto, está acima de tudo o gênio de seus diálogos: humoristicos comentários surreais, hilários, apesar de muitas das frases emblemáticas ditas por Groucho. Nesses filmes contêm uma boa dose de sarcasmo e crítica as disposições. Caótico, mas inteligente estilo dos irmãos Marx teve uma influência marcante sobre comediantes, Woody Allen e de Monty Python.

BUSTER KEATON, " A COMÉDIA SEM SORRISOS"




Nascido no mundo do vaudeville, mistura de teatro e circo muito popular nos Estados Unidos no  final do século 19, Keaton começou sua carreira artística participando de um número com seus pais chamado Os três Keatons onde a grande piada era como disciplinar uma criança mal-educada. Buster Keaton cresceu fazendo números cômicos com seus pais. Tornou-se um ator de muitos recursos e de impressionante presença cênica. Depois de algum tempo fazendo pontas em filmes, em 1920 Buster começou a dirigir seus primeiros curtas. Buster Keaton, nome artístico de Joseph Frank Keaton Jr., nascido em Piqua, 4 de Outubro de 1895, foi um ator e diretor americano de comédias mudas, considerado o grande rival de Charlie Chaplin. Ao contrário de Chaplin, o estrelato e veia cômica de Keaton não sobreviveram à conversão de Hollywood ao cinema falado. Para piorar, a vida pessoal de Keaton estava em frangalhos, após um divórcio doloroso. O consumo de álcool de Keaton aumentava proporcionalmente aos seus problemas pessoais. Após sobreviver por duas décadas de comédias sonoras baratas e eventuais aparições públicas, Keaton volta à evidência ao participar em 1952 do filme Luzes da Ribalta de Charles Chaplin. Por ironia, esse filme sobre um artista em decadência salva da decadência o artista Keaton. Depois de contracenar com Chaplin, a única participação conjunta dos dois grandes artistas da comédia num mesmo filme, Keaton voltou a casar, parou de beber e representou diversos papéis secundários no teatro, TV e cinema. Diz a tradição que famoso mágico Harry Houdini, vendo o bebê de seis meses de seu parceiro Joseph Keaton cair da escada sem um arranhão, batizou-o de "Buster", o destruidor. Keaton e Houdini eram donos de um teatro de "vaudeville" que se apresentava de cidade em cidade. Nos anos 1950, Keaton estreou duas séries bastante populares para TV: o "Buster Keaton Show", e o "Ao Vivo com Buster Keaton". O ator também chegou a trabalhar em comerciais de TV. Em 1965, poucos meses antes de sua morte, Buster Keaton protagonizou o único filme realizado pelo teatrólogo Samuel Beckett, chamado simplesmente "Filme". Além de trenzinhos de brinquedo, o que mais atraía Buster Keaton era representar. Foi o que fez até 1966, quando morreu vítima de um câncer no pulmão.

"O REI DA COMÉDIA"




Joseph Levitch nasceu em Newark, Nova Jersey, de pais descendentes de judeus e russos. Seu pai, Daniel Levitch, era Mestre de Cerimônias e ator de vaudeville e usava o nome Danny Lewis como nome artístico. Sua mãe, Rachel "Rae" Levitch, antes Brodsky, era pianista de uma rádio.  Jerry Lewis começou a atuar aos 5 anos, e aos 15 tinha descoberto o seu talento, em que consistia em dublar canções em um fonógrafo. Primeiramente, ele iria usar como nome artístico o nome "Joey Lewis", mas depois acabou mudando para "Jerry Lewis" para evitar confusões com o nome de outro comediante, Joe E. Lewis, e com o do campeão de boxe, Joe Louis. Ele se formou na “Irvington High School” na cidade de Irvington em Nova Jersey. É considerado um dos grandes comediantes do século 20. Ficou conhecido como “O Rei da Comédia”, por coincidência, nome de um seus filmes. Foi professor de cinema na Universidade da Califórnia, quando foram seus alunos Steven Spielberg e George Lucas. Foi apresentador da cerimônia de entrega do Oscar em 1956, 1957 e 1959. Fez vários filmes com Dean Martin entre 1946 e 1956. O primeiro show que realizou com Dean Martin aconteceu em 25 de julho de 1946, em Atlantic City. Foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz pelos 50 anos que passou angariando fundos para a causa da distrofia muscular; O personagem Professor John Frink do seriado “Os Simpsons” é baseado no antológico papel de Jerry Lewis como Professor Kelp de  “OProfessor Aloprado” de 1963. Lewis chegou a dublar o personagem em um episódio “Treehouse of Horror XIV, parte Finkenstein”. O astro Sammy Davis Jr. o chamou de "grande falso branco" por causa de seu desempenho como dançarino. Eleito um dos 50 maiores diretores de todos os tempos pela revista “Enteitainment Weekly”. Para Lewis, “O Biruta e o Folgado” de 1952 é o preferido de sua parceria com Dean Martin, por retratar o que eles melhor tinham como equipe. Após a produção de 16 filmes eles separaram-se. Lewis então começou a produzir e dirigir seus próprios filmes, tornando-se um favorito, especialmente na França.Um militante dedicado para causas sociais, identificou-se com um programa anual, destinado a ajudar a “Muscular Dystrophy Association”. Lewis também é conhecido por seu programa beneficente anual, o Jerry Lewis MDA Telethon, com o objetivo de ajudar crianças com distrofia muscular. Lewis ganhou vários prêmios honorários incluindo os do American Comedy Awards, The Golden Camera, Los Angeles Film Critics Association e do Festival de Venice, além de ter duas estrelas na Calçada da Fama. Em 2005, recebeu o Governors Award da Academia de Artes e Ciências Televisivas. Em fevereiro de 2009, Lewis recebeu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas o Jean Hersholt Humanitarian Award, o Oscar Humanitário.

10 de março de 2013

VANGELIS, O MAGO DA MÚSICA INSTRUMENTAL

Evángelos Odysséas Papathanassíu, conhecido pelo nome artístico Vangelis é um músico grego dos estilos neoclássico, progressivo e música eletrônica. Suas composições mais conhecidas são o tema vencedor do Oscar de 1981, com o filme “Chariots of Fire” , Carruagens de Fogo, a trilha sonora do clássico Blade Runner, e mais recentemente, do filme biográfico de Cristóvão Colombo, 1492: Conquest of Paradise, “1492 - A Conquista do Paraíso”, com a música instrumental "Conquest of Paradise". É conhecido também pelo uso de sua música na série da CBS, “Cosmos” de Carl Sagan. Nascido em Vólos, Vangelis começou a compor desde os quatro anos de idade, tornando-se um grande autodidata da música. O músico recusou as tradicionais aulas de piano, e durante sua carreira não tinha muito conhecimento para ler ou escrever partituras. Estudou música clássica, pintura e direção na Academia de Artes em Atenas.No início dos anos 60 formou um grupo pop, o Forminx , que se tornou muito popular na Grécia. Na época do Motim dos Estudantes em 1968 mudou-se para Paris e fundou a banda de rock progressivo “Aphrodite's Child” com os integrantes Demis Roussos, vocalista, e Loukas Sideras. São conhecidas na Europa, como também no Brasil, como canções de sucesso: "Rain and Tears", "Marie Jolie", "It’s Five O’Clock" etc. O grupo se desfez em 1972, ainda que Roussos tenha feito diversas participações nos trabalhos de Vangelis. Vangelis iniciou sua carreira solo escrevendo temas para dois filmes do cineasta francês Frederic Rossif em 1973. Seu primeiro álbum solo oficial saiu em 1974, “Earth”. Na mesma época, participou de ensaios com outra banda de rock progressivo, Yes. Embora nunca tenha feito parte da banda, tornou-se amigo do cantor Jon Anderson, com quem veio a trabalhar em algumas ocasiões. Quando se mudou para Londres, Vangelis firmou contrato com a RCA Records, montou seu próprio estúdio, o “Nemo Studios”, começando a gravar um série de álbuns respeitados de música eletrônica. Faixas do aclamado álbum “Heaven and Hell” de 1975 foram mais tarde utilizadas como tema da série Cosmos. Em 2001 lança “Mythodea” , que foi escrita em 1993 e depois foi usada com tema pela NASA nas missões a Marte. Em 2004 lançou um CD com a Trilha Sonora do filme Alexandre de Oliver Stone. Entre suas composições, há o tema da Copa do Mundo de 2002. Entre suas composições pode-se destacar:"12 O'Clock", partes 1 e 2,"Dervish D", "To The Unknown Man","Spiral", "Chariots of Fire", "Titans", "Blade Runner" e outros tantos...

MARECHAL RONDON, UM GRANDE BRASILEIRO POUCO VALORIZADO




Marechal Rondon, nascido em 1865, foi militar e sertanista brasileiro. Foi o idealizador do Parque Nacional do Xingu e Diretor do Serviço de Proteção ao Índio. Ingressou na Escola Militar do Rio de Janeiro em 1881 e depois foi transferido para a Escola Superior de Guerra. Ficou na Escola Militar até 8 de janeiro de 1890, quando foi graduado ao posto de capitão-engenheiro. Ingressou na Comissão Construtora de Linhas Telegráficas, partindo do Rio de Janeiro até Cuiabá, posteriormente de Cuiabá ao Acre. Atravessou o sertão desconhecido, na maior parte habitado por índios bororos, caiamos, terenas e guaicuru. Abriu estradas, expandiu o telégrafo e ajudou a demarcar as terras indígenas. Marechal Rondon nasceu no dia 5 de maio, em Mimoso, hoje Santo Antonio de Leverger, Mato Grosso. Filho de Cândido Mariano e Claudina Lucas Evangelista, esta descendente de índios Bororos. Ficou órfão ainda criança e foi criado por um tio, que era Capitão da Guarda Nacional. Por insistência do tio, foi estudar em Cuiabá na Escola Mestre Cruz e no ano seguinte na Escola Pública Professor João B. de Albuquerque. Em 1879 entrou para o liceu Cuiabano e em 1881 formou-se professor. Em 1881 foi para a Escola Militar no Rio de Janeiro. Com autorização do Ministério da Guerra, Cândido Mariano da Silva incorporou o nome Rondon, em homenagem ao tio que lhe criou, Manuel Rodrigues da Silva Rondon. Nesse mesmo ano o Governo Imperial cria a Escola Superior de Guerra, para onde Rondon é transferido. Marechal Rondon foi indicado componente da Comissão Construtora das Linhas Telegráficas, para explorar os sertões do Mato Grosso, no ano de 1892. Casou-se no dia 1 de fevereiro e partiu para Cuiabá com a esposa. Rondon passou a cuidar dos direitos dos índios. Sua tese era esta: "Matar nunca, morrer se necessário". Em 1906 o Presidente Afonso Pena o encarregou de ligar Cuiabá ao Acre, que havia sido incorporado ao País, fechando o circuito telegráfico nacional. Em 1907 descobriu o rio Jurema. Efetuou uma expedição às margens do Amazonas junto com Teodore Roosevelt no ano de 1913. Tinha como objetivos obter material para o Museu de História Natural de Nova York e de fixar com maior precisão certos detalhes geográficos, além de definir o traçado definitivo do rio Roosevelt. Do ano de 1927 a 1930, foi responsável por inspecionar as fronteiras do Brasil, do Oiapoque até a divisa da Argentina com o Uruguai.Criou o Serviço Nacional de Proteção ao Índio e foi elogiado em 1913 pelo Congresso das Raças em Londres, ressaltando que a obra de Rondon deveria ser imitada para honra da Civilização Mundial. Recebeu o título de Civilizador do Sertão, no ano de 1939 pelo IBGE, pelo trabalho realizado junto aos índios. Foi considerado grande chefe pelos índios silvícolas, e pelos civilizados Marechal de Paz. No ano de 1956 Rondon recebeu uma grande homenagem, foi dado ao Território do Guaporé o seu nome, que hoje é denominado Estado de Rondônia. Cândido Mariano da Silva Rondon morreu no dia 19 de janeiro de 1958, no Rio de Janeiro.

O LENDÁRIO REINO DA NÚBIA


Núbia é a região situada no vale do rio Nilo que atualmente é partilhada pelo Egito e pelo Sudão mas onde, na antiguidade se desenvolveu o que se pensa ser a mais antiga civilização negra de África, baseada na civilização anterior do Baixo Egito, que deu origem ao reino de Kush, que existiu entre o 3º milênio antes de Cristo e o século IV da nossa era. Este reino foi então dominado pelo reino de Axum e aparentemente, os núbios formaram novos pequenos estados fora da região ocupada. Um deles, Makuria tornou-se preponderante na região, assinando um pacto com o Egito islâmico para conservar a sua religião cristã "copta", que conservou até ao século 14, quando foi finalmente submetida aos árabes dominantes, mais precisamente dominada pelos Turcos Mamelucos por volta de 1315. Eles impuseram sua religião muçulmana e colocaram no poder um príncipe Núbio convertido ao Islã. No entanto, a parte sul conservou-se independente, como o reino de Sennar, até ao século XIX, quando o Reino Unido ocupou a região. Com a independência dos atuais estados africanos, os núbios ficaram divididos entre o Egito e o Sudão. Nesta região, na grande curva do Nilo, na parte sudanesa, encontram-se as ruínas das cidades de Napata, perto do monte Gebel Barkal, e Meroe que foram inscritos pela UNESCO, em 2003, na lista do Patrimônio Mundial.


9 de março de 2013

CAMERLENGO, O GUARDIÃO DOS SEGREDOS E TESOUROS DO VATICANO

Camerlengo é um título de origem medieval ainda em uso em alguns ordenamentos políticos modernos. Deriva do latim medieval "camarlingus", que, por sua vez, vem do frâncico kamerling, que veio do latim camerarius, que significa "adido à câmara", ficando geralmente subentendido "do tesouro" e "do soberano". O título camerlengo, na Igreja Católica, refere-se a um Cardeal do Colégio dos Cardeais. O Camerlengo da Igreja Católica é o administrador da propriedade e receita da Santa Sé; suas responsabilidades incluem a administração fiscal do Patrimônio de São Pedro. Seu brasão é ornamentado com duas chaves, sendo uma prateada outra dourada, a dourada demonstra a parte divina da igreja a prateada a parte humana; sobrepostas por um ombrellino, um guarda-chuva de listras alternantes vermelhas e brancas, que também é o brasão da Sede Vacante, tempo entre a morte de um papa e a eleição de outro. Até que o sucessor do Papa seja escolhido, o Cardeal Camerlengo serve como o Chefe de Estado atuante do Vaticano. Ele não é entretanto, responsável pelo governo da Igreja Católica durante a morte do papa. A Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis colocou essa tarefa na mão do Colégio dos Cardeais, apesar desse poder governamental ser extramente restrito, possibilitando apenas que a Igreja continue operando e realizando funções básicas, sem poder tomar decisões ou compromissos que são normalmente delegados apenas ao Papa. O Camerlengo, ainda assim, mantém seu escritório durante a sede vacante, ao contrário do resto da Cúria Romana. Este interessante personagem da Igreja Católica aparece mais intensamente no livro "Anjos e demônios" de Dan Brown e no filme com o mesmo nome, lançado em 2009, direção de Ron Howard.






1 de dezembro de 2012

AS GUERRAS PÚNICAS


As Guerras Púnicas foram 3 conflitos entre Roma e Cartago, a grande cidade africana fundada pelos Fenícios. O seu nome, tem origem em "Punus", nome latino para os cartagineses. Estas guerras foram provocadas por rivalidades comerciais no Mediterrâneo. A Primeira Guerra ocorreu de 264-241 a.C., deveu-se a uma questão relacionada com o controle da Sicília. Os Romanos, venceram e transformaram a Sicília na sua primeira província. A Segunda Guerra ocorreu de 218-201 a.C., surgiu causada pelo ressentimento Romano na expansão de Cartago para Espanha e com a destruição de Sagunto, aliada de Roma, pelo general cartaginês Aníbal. Este, respondeu ao desafio romano invadindo a Itália, onde permaneceu até 204 a. C.. Enquanto aí estava, o general romano Públio Cornélio Cipião, invadiu a Espanha e expulsou os cartagineses. A guerra teve o seu termino depois da destruição do exército cartaginês na Batalha de Zama no Norte de África. A Terceira Guerra ocorreu de 149-146 a. C., deu-se quando Cartago atacou um aliado de Roma, o rei Masinissa da Numídia Oriental. Um exército romano cercou Cartago durante dois anos. Os romanos acabaram por tomar a cidade e destruí-la.